Sonhador de sonhos,
Queres-me vender
Teus dias, risonhos
De tanto esquecer?...

Minh’alma é só mágoa
Por saber que vive...
Passo como a água,
Nunca fui ou estive.

5 - 2 - 1913

In Poesia 1902-1917 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar