Em que barca vou
Pra que rio tão rio?
Falou Deus, e ouvi-o...
Eu sou o que sou.

Em que barca vou
P’ra que mar tão mar?...
Ouço Deus falar...
Não sou o que sou.

Em que barca vou
P’ra além de que oceano
Deus falou ao Humano...
Sou mesmo o que não sou.

«Porquê?» «Como?»... E os céus
São todos dentros e alma.
A voz de Deus é calma...
Porque sou Deus, disse Deus.

1 - 3 - 1913

In Poesia 1902-1917 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar