As cigarras abrem, livres, sobre as flores,
Os seu caderrninhos de poetas;
E as formigas carregadas de embrulhos, silenciosas,
Metem-se pela terra hmida
Vindas da cooperativa das formigas trabalhadoras.
Tudo isto sem fbulas, sem fome, sem lies de moral.
Noite: d-me um dedo de cristal muito fino
Para tocar este concerto no pianinho das minhas bonecas!

 


In O Cantar da Tila - poemas para a juventude
Matilde Rosa Araújo
Voltar