Caíram as folhas da árvore. O outono
Empalideceu
Por sobre a terra espraiada no sono,
O □ céu.

Sim; é um sonho tudo. Do fraco e do forte
A incerteza é mãe...

Mas se tudo é um sonho, não será a morte
Um sonho também?
Se tudo é mentira, a própria mentira
Não nos mentirá?

Não terá cada cousa, degrau do olvido
Para □
Um outro lugar e um outro sentido
Que não o de ser?

3 - 9 - 1910

In Poesia 1902-1917 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar