Coitado, que em um tempo choro e rio,
espero, temo, quero e aborreo.
juntamente me alegro e entristeo,
de ũa cousa confio e desconfio.

Avoo sem asas, estou cego e guio,
e no que valho mais menos mereo;
calando, dou vozes; falo e emudeo,
nada me contradiz e eu aporfio.

Queria, se ser pudesse, o impossvel;
queria poder mudar-me e estar quedo,
usar de liberdade e ser cativo.

Queria que visto fosse e invisvel;
queria desenredar-me, e mais me enredo:
tais so os extremos em que triste vivo.

Luís Vaz de Camões
[COITADO QUE EM UM TEMPO CHORO E RIO]
Voltar