acordo para a trémula água das palavras
canto outro corpo
serei aquilo que for possível ser na solidão da casa
onde as aranhas interromperam o trabalho das teias
e nunca mais voltaram

em cada gesto agora petrificado
frente ao espelho descubro que sou o único a saber
quem és...lume e pó de cidade
tatuados no reflexo aquático do luminoso corpo

a sombra transparente dum veleiro fende a memória
tacteio-me para corrigir a realidade...entro no espelho
líquido a líquido procuro as mãos e o nome
sabendo como é sempre exterminadora a madrugada

sou um feixe de poeira...perdi a consistência
reclino o corpo de tinta inacessível à dor
sorrio enfim ao desejo de querer morrer

 


In O Medo
Al Berto
« Voltar