(A propósito dos gracejos dos jornalistas ingleses sobre os desastres do Rússia)

II
Os inimigos tombaram; outra mão
Os abateu e a alegria reinou,
Pois finalmente nosso medo cessou
Das terras de Leste, perigo agora vão.

Escrevinhadores, artistas, maus poetas,
Bando servil zombando o ódio retido,
Rindo da miséria do estado abatido,
Tropas esmagadas nas costas desertas.

Qualquer burro escoucinha o leão caído
Que, em vida, imóvel o fazia temer,
Cada passo dele de soslaio seguido.

Guerreiros de embuste, o desdém nos vai mal,
Nação queixosa que pôs todo o poder
Para amordaçar uma raça rural.

1905

In Poesia , Assírio & Alvim , edição e tradução de Luisa Freire, 1999
Fernando Pessoa
« Voltar