Pesa-me hoje a discordância
Entre a vida e o que sou.
Sou feito só de distância
Não ‘stou naquilo em que ‘stou.

Nos parques dos sonhos todos,
Nas alamedas sem fim
Onde ir como os vários modos
Que passeiam num jardim,
Rejo-me, orquestral, a ‘sfinges
E, como um claustro ignoto

5 - 12 - 1927

In Poesia 1918-1930 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar