Pobre de tudo, excepto de o saber,
Volvo atrás para ler
Aquele anúncio à porta da morada
Do regedor do Nada
Onde se diz que alguém perdeu na rua
Uma alma que era sua,
E quem a achasse que a trouxesse ali
Onde o anúncio vi.
Encontrei-a, escondi-a, não a dei
Por achada ante a lei.
Mas sofro a dor de não poder saber
Dela o que hei-de fazer,
Que ter uma alma a mais faz pena e dó:
São dois a um estar só.

[23-6-1934]

In Poesia 1931-1935 e não datada , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2006
Fernando Pessoa
« Voltar