Puseram-me uma tampa —
Todo o céu. 
Puseram-me uma tampa. 

Que grandes aspirações! 
Que magnas plenitudes! 
E algumas verdadeiras... 
Mas sobre todas elas 
Puseram-me um tampa. 
Como a um daqueles penicos antigos —
Lá nos longes tradicionais da província — 
Uma tampa. 
12 - 4 - 1934

In Poesia , Assírio & Alvim, ed. Teresa Rita Lopes, 2002
Álvaro de Campos
« Voltar