Eu falo da primeira liberdade
Do primeiro dia que era mar e luz
Densa, brisa, ramagens e segredos
E um primeiro amor morto tão cedo
Que em tudo que era vivo se encarnava

In No Tempo Dividido
Sophia de Mello Breyner Andresen
« Voltar