Como um cansaço ao fim do vento
Remoinham folhas a esquecer…
Não há nada em meu pensamento
Senão vontade de o não ter…

Sou triste por pensar de mais
E mais triste por o saber…
A água corre pelo cais
Mas não a posso compreender…

Quem fez meus sonhos interpostos
Entre a razão e a conhecer?
A armada da alma deixa os postos…

17 - 9 - 1929

In Poesia 1918-1930 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar