Meu coração caiu no chão.
Pode-o pisar
Quem ali’ passar.

Minha alma está feita em pedaços.
Pode-os varrer
Quem quiser.

É feita sombra a minha vida.
Pode-a ignorar
Quem pouco olhar.

É Morte quem eu fui e estive.
Pode-o esquecer
Quem não pude ser.

25 - 2 - 1920

In Poesia 1918-1930 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar