Clareira
Ao luar

Dançar
Pé ante
 
      Pé
Ritmo ondeante?
      O que é?
A alma sente,
Não vê
Nem ouve.

Que ária é?
Qual será?
Não se vê
      Nem ouve
Mas dança
      Aqui
Que esperança
Sorri?

Rés-vés
Da erva
Um, dois, três
A passar.
Pé ante
      Pé
Adiante
      E é
Invisível
Dança
Incrível
‘Sperança...
Mas é isto ou
      Sonhar?
Haver só
      O luar.

Rés-vés
Do luar
Vagos pés
Dançam...
Não se vê
Nem se ouve.

Gnomos, fadas?
      Que são?
Passadas ritmadas
      Que dão.

Pé ante
      Pé.

10 - 4 - 1927

In Poesia 1918-1930 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar