Quando,  em  ti   próprio,  ouvires  algum  combate
do sonho em luta com a sua própria alma
e o mundo te  parecer maior que a vida
e a vida te parecer a  velha estrada
onde só tu  não perseguiste o sonho,
defende,   de ambos,   o  que  for  vencido.


Quando a  tua   beira,   houver um   perseguido
e o escárnio se abater sobre o que ele pensa
e o mundo  inteiro o perseguir mentindo
uma  mentira maior que a dessa  ideia,
defende-a como tua antes que o  mundo
esmague em si próprio a chama em que se ateia

Quando,   como  hoje,  os  crimes  forem  tantos
que as  praias  sequem  no  desdém  das   ondas,
e o melhor  homem for um  criminoso
voltando ansioso  ao   local   do  crime,
e  o  sangue  nem   lhe  suje a  ansiedade
porque não há mais sangue que ciências loucas
grita aos ventos da  morte que os traíram —
e na terra se ouça que a verdade é falsa
e só eram verdade os que partiram.


In Coroa da Terra
Jorge de Sena
« Voltar