A sombra de todos os luares
Nossa tristeza escureceu...
Ergue-te, gládio
E acontece-te no céu!

Com tua vinda venha Deus.
A Pátria em dor chora por ti.
Enche a manhã dos vagos céus
Do teu advento que sorri.

No teu cavalo branco vindo
Tua divina lenda traz
Realizada no advindo
Silêncio que nos quebra e traz

Tristes, doridos, sobre a Hora
Que se ergue como um cadafalso
E ao pé dele a nossa dor chora
Em choro lento e cego e falso.

31 - 8 - 1915

In Poesia 1902-1917 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar