Um insecto feio
Cuja cor agrada
Paira sobre a água
A não fazer nada...

Se não fosse feio
Nem tivesse cor
Era um outro insecto.
Assim é melhor.

Assim é que o vejo,
Assim é que é;
E assim é que ensino
O olhar a ter fé.

10 - 8 - 1937

In Poesia 1931-1935 e não datada , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2006
Fernando Pessoa
« Voltar