«A esperança é a última coisa a morrer, 
disse ele antes de ter 
dado o tiro na boca. 
Tivesse ficado calado 
e estaria ainda vivo, aqui ou noutro lado. 
— 0K: não posso dizer 
que estivesse melhor 
(em relação à sua actual, como hei-de dizer, situação), 
mas também ninguém 
me pode dizer a mim que não.» 


Domingo, 15 de Março 

In POESIA REUNIDA , Assírio & Alvim, 2001
Manuel António Pina
« Voltar