Não sei se nasces do parto
de quantas te precederam

Se da compósita casta
de muitas que há em ti mesma

Se de remotos colapsos
Se de síncopes recentes

Se do constante massacre
de vidas que não viveste


In O corpo iluminado
David Mourão-Ferreira
« Voltar