combinara o encontro no limite deste século
onde nenhum homem dorme no limiar do dia
e o sonho se desfaz sob a nocturna incerteza

um raspar de veia reacende lumes
ilumina o turvo sangue os caminhos e a casa
onde pararam todos os relógios

quanto tempo para erguer a cabeça?
quem nos exterminará? no fim deste século
acordarão homens no outro lugar da manhã?

que vestígios permanecerão desta reclusão?
e a morte existirá ainda?
para além do ínfimo estremecer deste corpo?

 


In O Medo
Al Berto
« Voltar