Revocarepadum, superas evadere ad auras 
Virgílio 

Acorda a minha alma e que ela se recorde, 
Desarmonia, e que transborde 
do sono métrico e dos sentimentos 
para o silêncio, o modo, o tempo. 

Os antigos invocavam-se a si próprios, 
nós mandámos dizer que não estávamos. 
E não estávamos mesmo, vagueando 
por palavras alheias e infernos alheios. 

A música, dizem eles. 0K. 
Como regressarão porém 
da vida toda (náufragos, eis o que eles são)
aos prodígios do amor e da razão? 

Traz-me, pois, de regresso, Dissonância, 
das alturas da infância às alturas da infância 
e de dentro para fora e de fora para dentro, 
que eu seja sono, e insónia, e movimento. 


In POESIA REUNIDA , Assírio & Alvim, 2001
Manuel António Pina
« Voltar