Alguma coisa fora de mim 
está escondida em mim 
como um coração exterior 

Às vezes canta mesmo a meu lado 
com a minha voz 
como se tivesse eu cantado 

Talvez estas lágrimas 
não me pertençam nem este momento 
nem este sentimento de este sentimento 

Que rosto real 
me olha e se vê? 
Que porta física 
tenho que passar? 


In POESIA REUNIDA , Assírio & Alvim, 2001
Manuel António Pina
« Voltar