Lágrimas que não chorei,
Pesais-me no coração,
Não tenho de vós perdão.
Um dia vos chorarei
E serei feliz então...

Lágrimas que foram vindo,
Às escondidas, de mim,
Lágrimas sem dor nem fim.
Eu vos chorarei sorrindo
Só por vos chorar assim.

Lágrimas de tudo quanto
Perdi ou não pude ter -
Ou sonhei sem esquecer -
Mal sois mágoa, mal sois pranto
Mas sois meu choro e meu ser.

9 - 7 - 1934

In Poesia 1931-1935 e não datada , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2006
Fernando Pessoa
« Voltar