Inda fechadas estão As janelas. Já é dia — Meio dia. A escuridão Tem sombras de claridade De janela em cada vão. O passo pára ao entrar Nessa estranha soledade, Tão perto e longe do dia. De silêncio, não de frio, A vaga sala está fria. Há um vazio no ar Cuja tristeza apavora; E sem ver, ouvir, lembrar, O pronto coração sente Que no silêncio alguém chora Lágrimas vãs a rolar Dormente, caladamente, Tristemente e devagar.
14 - 11 - 1908

In Poesia 1902-1917 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar