Nem se está por mal ou bem
Entre as folhas a tremer.

Mas como é que alguém conhece
O que há quando ninguém vê?
Alguma coisa acontece
Quando ninguém está ao pé?

Não sei: sei que entre a folhagem
De uma noite e dum lugar
Mexe-se mais do que a aragem...
Oiço, sinto, essa passagem...
Sonho? Mas o que é sonhar?

8 - 11 - 1933

In Poesia 1931-1935 e não datada , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2006
Fernando Pessoa
« Voltar