Co o tempo, o prado seco reverdece,
co o tempo cai a folha ao bosque umbroso,
co o tempo pra o rio caudaloso,
co o tempo o campo pobre se enriquece;

co o tempo, um louro morre, outro florece;
co o tempo, um sereno, outro invernoso,
co o tempo, foge o mal duro e penoso,
co o tempo, torna o bem, j quando esquece.

Co o tempo, faz mudana a sorte avara,
co o tempo, se aniquila um grande estado,
co o tempo, torna a ser mais eminente.

Co o tempo, tudo anda e tudo pra.
Mas s aquele tempo que passado,
co o tempo, se no faz tempo presente.

Luís Vaz de Camões
[CO O TEMPO O PRADO SECO REVERDECE]
Voltar