No regao da Me Amor estava
dormindo to fermoso que movia
o corao que mais isento via,
e a sua prpria me de amor matava.

Ela, com os olhos nele, contemplava
a quanto estrago o mundo reduzia;
ele porm sonhando lhe dizia
que todo aquele mal ela causava.

Soliso que, graduado em seus amores,
de saber de ambos mais teve a ventura,
assi soltou a dvida aos pastores:

«Se bem me ferem sempre, sem ter cura,
do Minino os ardentes passadores
mais me fere da Me a fermosura».

Luís Vaz de Camões
[NO REGAÇO DA MÃE AMOR ESTAVA]
Voltar