É tão suave a fuga deste dia,
Lídia, que não parece que vivemos.
        Sem dúvida que os deuses
        Nos são gratos esta hora,

Em paga nobre desta fé que temos
Na exilada verdade dos seus corpos
        Nos dão o alto prémio
        De nos deixarem ser

Convivas lúcidos da sua calma,
Herdeiros um momento do seu jeito
        De viver toda a vida
        Dentro dum só momento,

Dum só momento, Lídia, em que afastados
Das terrenas angústias recebemos
        Olímpicas delícias
        Dentro das nossas almas.

E um só momento nos sentimos deuses
Imortais pela calma que vestimos
        E a altiva indiferença
        Às coisas passageiras

Como quem guarda a coroa da vitória
Estes fanados louros de um só dia
        Guardemos para termos,
        No futuro enrugado,

Perene à nossa vista a certa prova
De que um momento os deuses nos amaram
        E nos deram uma hora
        Não nossa, mas do Olimpo.


In Poesia , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, 2000
Ricardo Reis
« Voltar