Se obrigaes de fama podem tanto
que inda de Helena vive hoje a memria,
fazendo cada vez maior espanto;

se tambm de Lucrcia a lvia histria,
inda que j passada, c florece,
e por fama e triunfo hoje tm glria;

se a perfeio de Laura nunca esquece,
tambm que por fama laureada
nos ficou por Petrarca, e hoje crece;

e se aquela cruel troiana espada,
deu com a morte vida formosura
de Dido, por Virglio celebrada;

e se Vnus formosa, hoje segura
se apresenta em mil versos, e Diana
com as nove Irms de Apolo tem ventura;

que far a formosura soberana
de Figueiroa ilustre, de quem quero
cantar com doce lira e mantuana?

Mas se me ela no falta, dela espero
cantar, no destas j, que j acabaram;
destas cante Virglio, cante Homero,

que, se outras com seus versos celebraram,
foi que, por sua idade, a desta dama
- por inda estar no Cu – no na alcanaram.

Mas tinha-lhe a Ventura oriental cama
guardada l em Damo por que, nascendo,
perder fizesse s outras glria e fama.

E enquanto alegre declarar pretendo,
vs, pai de tal tesouro, dai-me ouvidos,
para dele dizer mais do que entendo.

No reproveis meus versos de atrevidos;
antes dai-lhe louvor, para que sejam
de tal dama, e de vs, favorecidos.

Que milagres de amor farei que vejam?
Direi os olhos belos, boca e riso,
mil partes, que outras damas ter desejam;

cabelos de ouro, enfim seu grande aviso,
sua arte, perfeio e formosura,
que na terra nos mostra um paraso.

Que mais? O grave aspeito e a brandura,
a boca de rubis, cheia de perlas,
das cristalinas mos a neve pura.

Senhora Dona Maria, entre as mais belas,
vs sois quem nossa idade hoje enriquece
e entre elas sois qual sol entre as estrelas.

Por vs Damo, Senhora, hoje florece,
por vs as Musas j do sacro monte,
donde contino o louro verde crece,

vos vm apresentar, da clara fonte,
de plidas violas coroadas,
as pegseas flores de Heliconte.

A vs se vm cantando, rodeadas
das Ninfas que o dourado Tejo cria,
com suas doces liras temperadas;

e com seu suave canto e melodia,
chegadas a vs j, dizem, cantando:
«Esta por quem Apolo emudecia.

Esta por quem Vertumno desprezando
Pomona, de contino se abrasava,
na menos parte sua imaginando.

Esta por quem em fonte se tornava
o av de Faetonte, e por que Orfeu
as frias infernais aquebrantava.

Esta por quem s Tria se perdeu.
Esta a quem Pris deu a ma de ouro,
e esta por quem Orlando endoudeceu.

Esta quem, desde o Ganges at o Douro,
s sem falta comps a Natureza,
do ndico oriental todo o tesouro.

Esta quem trouxe a luz toda nobreza
dos de Lio Fajardos, que descende
do real tronco ingrs, na mor alteza.

Esta a flor do Lago, que se estende,
e em quem do novo nasce a real planta.
Esta a quem o mesmo Amor se rende.

Esta por quem a Aurora se levanta,
na parte oriental, mais clara e pura.
Esta por quem, morrendo, o cisne canta.

Esta por quem nos dotou s a Ventura
de mil primores cheia, colocada
em rara perfeio de formosura.

Esta ser de ns sempre cantada,
e dos novos Poetas mil louvores
ter com fama eterna e sublimada.

Na festa de deus P cem mil pastores
desta felice terra a ti cantando,
mil ramos levaro cheios de flores;

a ti as suas lutas dedicando,
seus jogos pastoris de cem mil partes,
com versos te estaro sempre louvando.

E tu, que de teu ser nunca te partes
com formosura e graa de contino,
com que por fama ao mundo te repartes:

com rosto branco, alegre e peregrino,
aceitars seus versos, coroada
de rosas e de louro a ti s dino.

Dali, de nosso coro venerada,
ters cargo da selva de Diana,
e entre ns tu sers mais estimada.

Dali, alta Dea e soberana,
governars o ndico Oriente
e todo Estado alm da Taprobana.

Dali correndo ir de gente em gente
tua fama, fazendo esquecida
a das antigas damas do Ocidente,
ganhando teu louvor imortal vida.»

 

Luís Vaz de Camões
[SE OBRIGAÇÕES DE FAMA PODEM TANTO]
Voltar