Bem sei. Estou triste, sou calvo,
Tenho bastantes razões
P’ra me sentir algum alvo
De algumas desilusões.

Mas tudo esquece. As estrelas
Tornam fria a noite calma,
E encho da frescura delas
A ‘sponja que é a minha alma.

26 - 7 - 1930

In Poesia 1918-1930 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar