O malmequer que arrancaste 
Deu-te nada no seu fim, 
Mas a alma que me tiraste, 
Se deu nada, foi a mim. 


1934-1935

In Poesia do Eu , Círculo de Leitores, edição de Richard Zenith, 2006
Fernando Pessoa
« Voltar