Na viagem até nada
São todos bons viajantes.
Não há caminho nem ‘strada
Mas chegam todos constantes.

Na viagem até nada
Todos vão a conversar;
Não há caminho nem estrada
E entretêm-se a falar.

Na viagem até nada
Alguns calados vão só.
Mas à hora da chegada
Nunca sacodem o pó.

21 - 3 - 1931

In Poesia 1931-1935 e não datada , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2006
Fernando Pessoa
« Voltar