Ondas no mar da vida,
Cada onda só é
Uma cousa vivida
Pelo olhar que a vê...
Só o olhar a separa
Do mar em que ela é nula
Nem sequer a onda pára
Senão no olhar que isola
O seu momento e uno
Ser e deixar de ser
No erróneo e oportuno
Julgá-la entre 


 espaço deixado em branco pelo autor

23 - 7 - 1911

In Poesia 1902-1917 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar