«Eu amo os meus sonhos», disse eu para alguém
Prosaico, em manhã de inverno, que com desdém
Replicou: «Não sou escravo de Ideal
E, como gente sensata, amo o Real.»
Pobre tolo, o ser e o parecer trocando -
É que eu amo o Real meus sonhos amando.


In Poesia Inglesa , Assírio & Alvim, Obra Essencial de Fernando Pessoa, ed. de Richard Zenith, 2007
Alexander Search
« Voltar